inventando moda & carimbando passaportes

COMO ME SINTO

Fim dos likes e a obrigação de ser frequente

, por fialhogi

Eu amo criar conteúdo, eu amo criar por si só, seja escrevendo, fotografando e desenhando. Para mim criar é intrínseco, é natural e espontâneo.  

O fim dos likes no instagram me fizeram repensar muitas coisas, porém a última delas foi o próprio like. Há tempos que não me apego mais aos números do instagram, sejam de likes, comentários e seguidores. 

Apesar de reconhecer que para uma galera ainda é importante, eu sei bem que esses algoritmos não são a parte relevante de cada @. 

Percebo muitos criadores e comunicadores com um menor alcance que produzem e surpreendem na qualidade dos conteúdos, porque eles não podem (e nem devem) depender de números. São eles muitas vezes que inspiram e engajam muito mais que @ com um milhão de likes. 

Pra mim a medida tomada pela plataforma não foi visando o benefício de todo mundo e a ansiedade que vem quando a gente compara o nosso trabalho com um outro que tem mais visualizações. 

De longe, essa medida é mais por uma parte financeira que bem estar, alguém tem ganho muito dinheiro e não é Mark. A medida obriga que qualquer um presente na plataforma reinvente a forma como distribui o conteúdo, sem depender de números para fechar negócios. 

E isso é a uma das partes mais difíceis quando lembramos que a Internet tem um ritmo cada vez mais rápido, nossas relações tendem a ser mais urgentes e instantâneas para agir e reagir. 

Mas elaborar e traduzir nossa vida e nossa arte de forma rápida e voraz não acontece com a mesma velocidade instantânea que nosso feed ou a necessidade de compartilhar e consumir. 

A obrigação de ser frequente e estar 100% presente a todo momento dificulta a entrega às vezes. Não é impossível acredito, e diz muito sobre nosso empenho e disciplina. Mas a OBRIGAÇÃO é a parte pesante. 

Tudo aquilo que fazemos devemos fazer com paixão, dedicação mas de forma espontânea. Eu amo criar e escrever artigos para o blog, mas a obrigação de estar presente nunca foi meu forte. 

Esse sempre será um espaço além disso, da forma mais autêntica, legítima e natural.


    Comente!

    Gi Fialho

    Comente este post!