/ fashionismo

Existe uma urgência invisível que nos influência a comprar por prazeres volúveis. Sempre falo sobre slow fashion e consumo consciente, mas é que algumas vezes eu falho, peco real. Na pratica a coisa é mais complicada, nem sempre encontramos tudo no brecho, nem sempre podemos garimpar nos brechós, nem sempre e tudo bem. A vida precisa de equilíbrio e eu to em busca de encontrar o meu!

Parece que existe uma urgência em ter tudo, encontrar o must-have da estação postar no instagram e Deus me livre repetir o look. Esta tudo muito rápido, a informação o produto e o ato. Vemos, compramos, usamos e esquecemos. Esse ciclo é o impacto da nossa sociedade eufórica por novidades e cada vez mais impulsiva, e isso vale para coisas muito além, nossas relações interpessoais estão nesse ritmo frenético. Nos conhecemos, conversamos dois dias alucinadamente, ficamos e bye bye. Não to aqui pra julgar, não sou ninguém para isso, to aqui pra entender, reconhecer e melhorar, me aprofundar nisso e desapegar desse vicio por que assim como você ai do outro lado eu falho.

Conte até 10 e respire fundo, vamos refletir, alem da moda vamos dar um pause por vida mais devagarzinho. Hoje entendo a urgência de não ter urgências nesse sentido. A minha prioridade é meu bem estar sem pressa sem atropelar cada passo.
Consumir consciente não é só entender de onde vem o produto, mas é ter consciência do impacto que minha compra vai gerar. Imagina se todo mundo resolve não comprar mais nada? A economia para! Não precisamos ser radicais. Vamos consumir e nos sentir lindas, vamos encontrar marcas independentes, vamos procurar aquela dona que costura na esquina de casa, marcas onde mulheres gerenciam, alem de ajudar o comercio local ajudamos mulheres que buscam um lugar no mercado. Ta tudo bem comprar, até que seja por puro luxo da nossa parte. Nossa mais intima vaidade.

Precisamos de uma pausa, desacelerar um pouco o ritmo, nessa mesma vertente tem um post incrível no modices que fala sobre o ciclo fast fashion onde “diminuímos as barreiras da comunicação, a informação chega muito rápido, fica velha muito rápido e na mesma velocidade é substituída por nova informação consumida com a mesma ferocidade” .

Vamos consumir o que precisamos o que queremos no nosso tempo sem ter a urgência em ter tudo a todo tempo para no instante seguinte tudo ficar démodé, mesmo com todo esse estímulo contrário.

Gi, tem 22 outonos, fez as malas e foi morar sozinha em outro pais. Paulista, adora descobrir novos lugares em São Paulo e criar listas com o namorado (que mora no Brasil) vegetariana, apaixonada por tudo que é lúdico, exótico, doce e colorido.

A estação mais quente do ano sempre nos reserva bons retornos, dessa vez a viseira ficou na nossa cabeça. Que não tenhamos preconceito em provar novos acessórios, ainda mais com essa pegada nostálgica que as viseiras tem. O retorno se deve a ascensão de um estilo mais esportivo e o retorno dos bonés como item fashionista (princesinhas de aba reta levantem a mão) de dois anos para cá.

A viseira nada mais é que um boné – só que só com a aba sendo vazado na parte do corpo cabeludo – isso é claro, sua função no inicio nada mais era que proteger os olhos da claridade solar só que sem esquentar a cabeça (to muito piadista hoje). O acessório provem do armário masculino e não sei (mas se você souber me diga) quem foi a pioneira que tirou do boy e se atirou lá pelos verões de 1960 onde o item se popularizou nos Estados Unidos.

Repaginada a viseira vem dominando a cabeça das fashionistas com diversos estilos.

Alem de ajudar na hora de elaborar looks de verão onde menos é fundamental porque não queremos morrer de calor, o item trás muita personalidade a composições simples como um biquíni e um maio, tendo um maior impacto visual alem de mega estiloso.

Com uma releitura mais fashionista cheias de estampas e cores ganhou o coração de famosas e principalmente da Rihanna que adotou o item e tem dado várias lições de como combinar.

Meus preferidos são com aba plástica, o ar dos anos 80 meio futurístico combinam muito mais com meu estilo mais arrojado e justamente não se engane que viseira é um acessório só de praia, como sempre falamos – toda peça é versátil, precisamos só usar a criatividade e observar o potencial de cada uma.

+ MONOCROMATICA 

A blogueira Mica optou por uma viseira fosca com uma pegada descolada junto com o óculos e a corrente de prata. A calça e a bota alongaram e a camisa amarrada na cintura deu mais movimento e um ar informal, no maior estilo esporte chic.

 

+ ROCK GLAMOUR 

Sou contra rotular estilos, ainda mais quando falamos de moda rotular é meio que limitar, mas não consegui pensar em um título melhor para essa composição que tomou meu coração. A regata de malha contrasta com o colar e as pulseiras de prata, assim como a calça meio bóxer de couro (esperamos que fake) com elásticos na cintura. Bem urbana, mostra que como boas peças básicas bem coordenadas podem transformar um look. A viseira deu ar mais ousado para o look. Amei? AMEI MUITO.

 

+ RIHANNA RAINHA 

Mais uma prova que básicos tem toda graça se bem coordenados. A blusa de malha com pegada trash e o jeans overside rasgadinho cintura baixa com a pegada podrinho, ganham outro ar com a viseira que como acessório da uma idéia de mais arrumadinho, alem do contraste de dois estilos que eu amo tanto.


A gente adora uma releitura, dar vida a peças mais antigas mas confesso que assim como as pochetes eu torcia o nariz (particularmente xofanna falando), mas a gente paga com a língua, seja pelo excesso de vezes que vemos e acabamos gostando ou por que a gente amadurece e entende que toda peça tem potencial só precisamos explorar e descobrir uma forma que ela represente nosso estilo individual.

Gi, tem 22 outonos, fez as malas e foi morar sozinha em outro pais. Paulista, adora descobrir novos lugares em São Paulo e criar listas com o namorado (que mora no Brasil) vegetariana, apaixonada por tudo que é lúdico, exótico, doce e colorido.

O que aconteceu com o look do dia? A idéia era compartilhar o streat style real, as composições que usamos na nossa rotina. Quando foi que tudo mudou? Me desanima, me desinteressa blogueira que acredita que look do dia é privilégio para quem pode ostentar marcas e grifes. Me desespera a atual realidade onde todas as produções não representam de fato o estilo pessoal da blogueira, onde mais de 60% dos #lookdodia são patrocinados! Acho irresponsável não pensar nas conseqüências que esse estímulo pode causar, é desesperançoso.

Qualquer alcance que temos seja com 100 seguidores ou um milhão, temos que contribuir para uma mudança, já que esperamos por ela. Temos que participar, e evoluir com isso. Incentivar cada indivíduo descobrir seu estilo pessoal, original e criativo.

Como blogueira e estudante de moda tenho a responsabilidade de saber qual meu propósito quando escrevo. Meu propósito é transmitir realidade. Não me visto para mostrar quanto tenho no banco, não me visto para vender, me visto para passar uma mensagem.

Vamô falar sobre looks REAIS, sobre looks que estimulem a criatividade e personalidade, que mostrem o potencial de cada peça, a versatilidade de cada item! Vesti a camisa do boy como saia sim! até pensei que iam me achar louca, mas na real é que todo mundo quis aprender pra copiar. .

Vamô falar sobre looks REAIS, sobre looks que estimulem a criatividade e personalidade, que mostrem o potencial de cada peça, a versatilidade de cada item! Vesti a camisa do boy como saia sim! até pensei que iam me achar louca, mas na real é que todo mundo quis aprender pra copiar. .

Pior que isso é linkar a idéia de que só quem compra tal marca pode ser estilosa, que só quem tem tal corpo pode ser it girl, alem de excludente não condiz com a realidade da maioria.
O look do dia não serve pra dizer o que você P R E C I S A ter no armário, isso é doido. Ninguém precisa de tudo que é lançado, todo modismo. Incentivar o consumo desenfreado é inconseqüente.

Me incomoda real ver look do dia montados, sem a essência da blogueira. O look do dia tem que vir de forma natural, do que usamos na nossa rotina, no nosso trabalho, na nossa faculdade nos nossos roles. Por isso admiro tanto a Jojo e a Carla Lemos por que reconheço a essência de cada uma, que correspondem a realidade de ambas.
E vejam bem, elas tem looks patrocinados, mas esses correspondem a 30% só do que compartilham, elas tem todo o cuidado de observar se a marca é usável, se tem uma produção ética, se condiz com a realidade. Um conteúdo responsável que me sinto mega representada.

Look do dia tem que ser pelo menos pra usar TODO DIA Né? (ate os #publipost).

Sobre aquele body sexy que você usa fora da cama né. Aproveitei a transparência dele e que o cropped é bem curtinho pra deixar a pele (de forma sutil) a mostra. Quem disse que lingerie não pode aparecer?

Sobre aquele body sexy que você usa fora da cama né. Aproveitei a transparência dele e que o cropped é bem curtinho pra deixar a pele (de forma sutil) a mostra. Quem disse que lingerie não pode aparecer?

Sei que nem sempre vamos ter todo o equipamento a nossa disposição, e que nem sempre vamos ter alguém para clicar pra gente, com fotos boas, nítidas, que mostram detalhes que inspirem outro look do dia. Não é difícil dizer realmente quem se veste com a roupa que fotografou. Não perder a identidade da composição.

E inspirada por esse pensamento lanço hoje a #lookrealidagi onde vou compartilhar, de forma espontânea os meus looks diários, aqueles que deu pra fazer produção (um role bacana no fim de semana com o boy) ou aqueles da nossa rotina de semana mesmo (faculdade, afazeres), tudo isso lá no instagram (@caosarrumado ) e no blog! E CLARO que quero que você leitor maravilhoso participe comigo usando sempre em seus looks postados.

Vamos mudar essa atual forma de criar moda? Vamos reverter esse jogo e voltar a essência da idéia que é INSPIRAR? Quem vem comigo?

Gi, tem 22 outonos, fez as malas e foi morar sozinha em outro pais. Paulista, adora descobrir novos lugares em São Paulo e criar listas com o namorado (que mora no Brasil) vegetariana, apaixonada por tudo que é lúdico, exótico, doce e colorido.
Theme developed by Difluir - http://themes.difluir.com