/ Slow Fashion

Existe uma urgência invisível que nos influência a comprar por prazeres volúveis. Sempre falo sobre slow fashion e consumo consciente, mas é que algumas vezes eu falho, peco real. Na pratica a coisa é mais complicada, nem sempre encontramos tudo no brecho, nem sempre podemos garimpar nos brechós, nem sempre e tudo bem. A vida precisa de equilíbrio e eu to em busca de encontrar o meu!

Parece que existe uma urgência em ter tudo, encontrar o must-have da estação postar no instagram e Deus me livre repetir o look. Esta tudo muito rápido, a informação o produto e o ato. Vemos, compramos, usamos e esquecemos. Esse ciclo é o impacto da nossa sociedade eufórica por novidades e cada vez mais impulsiva, e isso vale para coisas muito além, nossas relações interpessoais estão nesse ritmo frenético. Nos conhecemos, conversamos dois dias alucinadamente, ficamos e bye bye. Não to aqui pra julgar, não sou ninguém para isso, to aqui pra entender, reconhecer e melhorar, me aprofundar nisso e desapegar desse vicio por que assim como você ai do outro lado eu falho.

Conte até 10 e respire fundo, vamos refletir, alem da moda vamos dar um pause por vida mais devagarzinho. Hoje entendo a urgência de não ter urgências nesse sentido. A minha prioridade é meu bem estar sem pressa sem atropelar cada passo.
Consumir consciente não é só entender de onde vem o produto, mas é ter consciência do impacto que minha compra vai gerar. Imagina se todo mundo resolve não comprar mais nada? A economia para! Não precisamos ser radicais. Vamos consumir e nos sentir lindas, vamos encontrar marcas independentes, vamos procurar aquela dona que costura na esquina de casa, marcas onde mulheres gerenciam, alem de ajudar o comercio local ajudamos mulheres que buscam um lugar no mercado. Ta tudo bem comprar, até que seja por puro luxo da nossa parte. Nossa mais intima vaidade.

Precisamos de uma pausa, desacelerar um pouco o ritmo, nessa mesma vertente tem um post incrível no modices que fala sobre o ciclo fast fashion onde “diminuímos as barreiras da comunicação, a informação chega muito rápido, fica velha muito rápido e na mesma velocidade é substituída por nova informação consumida com a mesma ferocidade” .

Vamos consumir o que precisamos o que queremos no nosso tempo sem ter a urgência em ter tudo a todo tempo para no instante seguinte tudo ficar démodé, mesmo com todo esse estímulo contrário.

Gi, tem 22 outonos, fez as malas e foi morar sozinha em outro pais. Paulista, adora descobrir novos lugares em São Paulo e criar listas com o namorado (que mora no Brasil) vegetariana, apaixonada por tudo que é lúdico, exótico, doce e colorido.

O que aconteceu com o look do dia? A idéia era compartilhar o streat style real, as composições que usamos na nossa rotina. Quando foi que tudo mudou? Me desanima, me desinteressa blogueira que acredita que look do dia é privilégio para quem pode ostentar marcas e grifes. Me desespera a atual realidade onde todas as produções não representam de fato o estilo pessoal da blogueira, onde mais de 60% dos #lookdodia são patrocinados! Acho irresponsável não pensar nas conseqüências que esse estímulo pode causar, é desesperançoso.

Qualquer alcance que temos seja com 100 seguidores ou um milhão, temos que contribuir para uma mudança, já que esperamos por ela. Temos que participar, e evoluir com isso. Incentivar cada indivíduo descobrir seu estilo pessoal, original e criativo.

Como blogueira e estudante de moda tenho a responsabilidade de saber qual meu propósito quando escrevo. Meu propósito é transmitir realidade. Não me visto para mostrar quanto tenho no banco, não me visto para vender, me visto para passar uma mensagem.

Vamô falar sobre looks REAIS, sobre looks que estimulem a criatividade e personalidade, que mostrem o potencial de cada peça, a versatilidade de cada item! Vesti a camisa do boy como saia sim! até pensei que iam me achar louca, mas na real é que todo mundo quis aprender pra copiar. .

Vamô falar sobre looks REAIS, sobre looks que estimulem a criatividade e personalidade, que mostrem o potencial de cada peça, a versatilidade de cada item! Vesti a camisa do boy como saia sim! até pensei que iam me achar louca, mas na real é que todo mundo quis aprender pra copiar. .

Pior que isso é linkar a idéia de que só quem compra tal marca pode ser estilosa, que só quem tem tal corpo pode ser it girl, alem de excludente não condiz com a realidade da maioria.
O look do dia não serve pra dizer o que você P R E C I S A ter no armário, isso é doido. Ninguém precisa de tudo que é lançado, todo modismo. Incentivar o consumo desenfreado é inconseqüente.

Me incomoda real ver look do dia montados, sem a essência da blogueira. O look do dia tem que vir de forma natural, do que usamos na nossa rotina, no nosso trabalho, na nossa faculdade nos nossos roles. Por isso admiro tanto a Jojo e a Carla Lemos por que reconheço a essência de cada uma, que correspondem a realidade de ambas.
E vejam bem, elas tem looks patrocinados, mas esses correspondem a 30% só do que compartilham, elas tem todo o cuidado de observar se a marca é usável, se tem uma produção ética, se condiz com a realidade. Um conteúdo responsável que me sinto mega representada.

Look do dia tem que ser pelo menos pra usar TODO DIA Né? (ate os #publipost).

Sobre aquele body sexy que você usa fora da cama né. Aproveitei a transparência dele e que o cropped é bem curtinho pra deixar a pele (de forma sutil) a mostra. Quem disse que lingerie não pode aparecer?

Sobre aquele body sexy que você usa fora da cama né. Aproveitei a transparência dele e que o cropped é bem curtinho pra deixar a pele (de forma sutil) a mostra. Quem disse que lingerie não pode aparecer?

Sei que nem sempre vamos ter todo o equipamento a nossa disposição, e que nem sempre vamos ter alguém para clicar pra gente, com fotos boas, nítidas, que mostram detalhes que inspirem outro look do dia. Não é difícil dizer realmente quem se veste com a roupa que fotografou. Não perder a identidade da composição.

E inspirada por esse pensamento lanço hoje a #lookrealidagi onde vou compartilhar, de forma espontânea os meus looks diários, aqueles que deu pra fazer produção (um role bacana no fim de semana com o boy) ou aqueles da nossa rotina de semana mesmo (faculdade, afazeres), tudo isso lá no instagram (@caosarrumado ) e no blog! E CLARO que quero que você leitor maravilhoso participe comigo usando sempre em seus looks postados.

Vamos mudar essa atual forma de criar moda? Vamos reverter esse jogo e voltar a essência da idéia que é INSPIRAR? Quem vem comigo?

Gi, tem 22 outonos, fez as malas e foi morar sozinha em outro pais. Paulista, adora descobrir novos lugares em São Paulo e criar listas com o namorado (que mora no Brasil) vegetariana, apaixonada por tudo que é lúdico, exótico, doce e colorido.

A Olimpíada do Conhecimento é a maior competição de educação profissional das Américas. Realizado pelo SENAI e o Serviço Social da Indústria (SESI), o torneio ocorre de dois em dois anos em diferentes cidades do país. Neste ano, a Olimpíada reuniu 1.200 competidores de todo o país, na área externa do Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, entre os dias 9 e 13 de novembro

A imagem acima é do SENAI Brasil Fashion (que a final aconteceu na olimpíada) é um projeto do SENAI CETIQT que tem como objetivo revelar novos talentos, unindo estudantes do SENAI a grandes especialistas em moda. Após selecionar alunos de diferentes estados por meio de edital, eles recebem orientações de estilistas sobre todas as etapas de desenvolvimento de uma coleção – desde o conceito criativo até a confecção das roupas. Aqui tem o vídeo.

Mas voltando para a Olimpíada, entre as diversas áreas profissionais que participaram do evento, a de moda e criatividade é o que nos interessa (até porque tive a oportunidade de participar do projeto embaixador desse setor).
Como todo desafio tem seus critérios, aqui não poderia ser diferente. E o que me chamou a atenção foi a preocupação com a inclusão e a questão do reuso. Como fala Ariadne Sakkis:
Em moda, tudo se cria e, claro, tudo se transforma. Nesta edição da Olimpíada do Conhecimento 2016, os estudantes de tecnologia em moda terão de provar que são capazes de aplicar suas habilidades para desenvolver peças multifuncionais, coleções completas para uma família e também para bichos de estimação. Todas fabricadas com roupas usadas

O nosso papel como embaixador era criar um projeto com esses critérios e interagir com o público. Assim criamos a Coleção Cápsula. (Com a equipe mais maravilhosa de professores: Morgana, Silmara e Eduardo. E com as alunas Barbara, Flávia e Simone que cuidaram da parte de modelagem, corte, costura e criação das peças (já que a pessoa aqui não sabe fazer isso))

O significado do verbete cápsula, que de acordo com o dicionário Priberam (web), é pequeno recipiente capaz de abrigar sementes, medicamentos, entre outros, ou seja, componentes que contribuem para melhoria de diversas situações. Neste contexto, a coleção Cápsula, prevê a entrega de pequenas coleções que contribuam para a melhoria de questões de interesse social. O projeto prevê relacionar a moda com propósitos de inclusão, preservação e saúde.

Nisso criei a logo do projeto englobando os três eixos propostos.

LOGO CÁPSULA
O stand foi projetado com base no upcycling com a utilização de andaimes e flores de papel de revista velhas. O high low do visual industrial do ferro com as folhagens criou a harmônia proposta. As roupas expostas passam por roupas para pets (utilizando calças jeans usadas), roupas para cadeirante e para pessoas com sobre peso, até roupas multifuncionais (moletom que se transforma em mochila e outro que se transforma em bolsa canguru para carregar baby como por exemplo) com a utilização da impressão 3d, incluindo a tecnologia.

PROJETO

Mas projeto a parte, tudo isso só me fez pensar que cada vez mais as pessoas estão preocupada com a moda e o propósito que superam o simples ato de se vestir (claro que falta muito ainda, porém já ta sendo um começo). Ver um evento tão grandioso e além disso criado por instituições com base industrial preocupados em mostrar pras 118 mil pessoas que foram la prestigiar a competição que moda não é só luxo, mas sim que temos uma preocupação social, econômica e política.

Espero que tenham gostado, no meu Behance tem mais sobre o projeto. E se alguém foi la em Brasília me conte como foi.

Produtora de moda, 18 anos, catarinense, vegetariana, apaixonada pela vida e amante da arte.
Theme developed by Difluir - http://themes.difluir.com