FELIZ NATAL ! Carta aberta sobre 2020 - Caos Arrumado

COMO ME SINTO

FELIZ NATAL ! Carta aberta sobre 2020

, por fialhogi

O que meu casamento e minha profissão tem em comum? Durante um ano não admiti nenhuma das duas. 

Mas hoje vou focar apenas na minha profissão. Prazer, sou Giovanna e sou fotografa, trabalho na minha empresa de visual marketing. 

Ao mesmo tempo que da um alivio, vem a responsabilidade de representar uma categoria ou um grupo (talvez porque não tenha um diploma de uma renomada universidade para validar/provar minha capacidade). 

“Tái” mais uma coincidência, a importância do papel! Enquanto mesmo casado no papel não me reconhecia como casada por um ano, hoje mesmo sem ter um diploma afirmo que sou fotografa. 

Não é a faculdade que faz o profissional, a faculdade alem de ser uma experiencia muito legal e ter uma função didática para facilitar o aprendizado, disponibilizando profissionais e suas experiencias, acesso a matérias… é um espaço de convivência e memórias. 

Mas, isso não faz dela insubstituível. Na verdade hoje percebo que não é sobre a faculdade é sobre estudar. Qualquer profissão hoje em dia NECESSITA de estudo, atualização e disciplina. 

No ultimo ano venho estudando todas as grades de uma faculdade em forma de cursos/workshop/videos e me sinto preparada para honrar cada segundo essa profissão. 

A minha história com a fotografia é antiga, ela sempre esteve atrelada a minha paixão por moda. Estudei por um ano Produção de Moda no Brasil, inclusive trabalhei em algumas campanhas em SP! 

Mas foi quando meu mundo caiu que a fotografia além de ser um contente escape, me mostrou que era aquela a minha direção. Mas eu demorei muito para entender e digerir tudo isso. Obrigada Keki e Mama por toda paciência e incentivo. 

Mas, para voce entender o porque da minha relutância voce precisa entender que minha confiança estava abalada, eu não tinha uma vida equilibrada e qualquer coisa que parece uma mudança radical me acoava para o canto. 

Dando um pulo no tempo para 2017, estava tudo pronto para vir cursar moda e comunicação aqui na Itália. Matricula paga, passagem comprada… quando minha mãe teve uma ideia junto com uma amiga. Vamos abrir um negocio? Vamos abrir um salão? Um centro de beleza? VAMOS! 

Porem, a burocracia Italia exige um certificado específico para atuar empreender na area de Beleza aqui na Italia. Um certificado que responsabilize tudo que permea uma rotina de um centro como esse. 

A unica pessoa com disponibilidade para isso era eu. Lembro com total clareza, sentada no chão, apoiada na mesa branca redonda, minha mãe no sofá comentando se eu podia “sacrificar” meu sonho, que ela entenderia se eu negasse a oferta. 

Mas eu não me sentia no direito de negar, ao longo dos anos vi minha mãe sacrificar varias coisas para dar o melhor para mim e para Nanda, e sabia que essa oportunidade naquela epoca, era a certeza da autonomia financeira também da minha mãe, alem de um trabalho pra ela aqui.

Fora isso envolvia acolher pessoas que amo muito aqui na Itália, multiplicar nosso privilégio de viver em um pais que da mais acesso do que eles tem agora sabe?

Eu topei. Durante dois anos criei um plano de negocio para o nosso salão. Foi exaustivo, eu odiava o curso! Ao mesmo tempo que sou grata por tudo que aprendi em matérias como Marketing, ADM, Direito, Cosmetologia, Tricologia… eu só não suportava a aula pratica. 

Claramente não tinha a menor aptidão para isso. Chorei muito, se teve um ano que chorei foi 2018/2019. Era miseravelmente infeliz. 

Fora isso em casa também não encontrava paz ou equilibrio. O Erik tinha largado tudo e não encontrava emprego algum, minha convivência com minha Irma ou com um amigo que morava aqui, foram péssimas, era tudo a flor da pele. 

Madrugadas que eu acordava chorando porque lembrava que na manha seguinte ia ter aula pratica e a professora ia me colocar em alguma situação humilhante. Porque teve essa também (mas é historia para outro post). 

E além disso, eu menti o curso inteiro! Mesmo em São Paulo trabalhando como assistente de estilo, e com isso trabalhei em campanha, site, vitrine e etc. Falava para todo mundo do curso que tinha trabalho em uma empresa de visual marketing. 

Mentia para eles mas muito mais para mim, eu precisava me agarrar a uma realidade de que eu ia fazer acontecer esse salão, muita gente dependia de mim. 

Finja tão bem até realizar. Era esse meu mantra.
Eu só não conseguia fingir realização e felicidade.

Mas como disse, mesmo muito cruel e difícil, mesmo me sentindo 99% solitaria, eu tinha dois anjos alem da minha mãe e do Erik que no limite das relações europeias (ai que saudade dos latinos hehe) foram um suporte para mim. 

Então não foi surpresa para todo mundo quando não passei no exame final que me dava o direito de abrir um salão. Eu reprovei em escova! Passei em direito, ADM, Marketing, Cosmetologia, Dermatologia, Tricologia, Colorimetria, Corte … mas não soube modelar um cabelo. 

CHOREI DE PASSAR VERGONHA! Porque eu senti vergonha, me senti perdida dois anos que joguei no lixo! (Pelo menos pensava assim). E dai eu fiz a pior escolha que alguém pode fazer: fui trabalhar na area que mais odiava para pegar pratica de uma coisa que não gostava!

Precisava de dinheiro e experiencia para fazer o ultimo exame novamente em maio desse ano, então fui trabalhar em um salão como: Recepcionista, social media, auxiliar, faxineira, caixa… tudo isso por no máximo 600 euros no mês. Entrava as 8 saia as 22! 

Tinha muita vergonha sabe? De não me sentir competente, de não me sentir confiante, de não ser boa suficiente. Tudo isso afetou minha relação com minha mãe, com o Erik e com minha Irma. Eu so sabia resmungar, vivia de lamuria e não tinha nenhuma perspectiva ou controle da minha vida (de merda).

Entre um trabalho e uma soneca eu fazia uns bicos como fotografa, para empresas, voluntariados e amigos. Não tinha dinheiro para sair, então aquele era meu momento de prazer, mesmo que fosse de sem ganhar nada (o que na maioria das vezes era), eu também não gastava e estava feliz.

Fui para São Paulo e mais uma vez Deus me mandou o recado pela boca da Bianca e da Greyce. A Gue disse para eu pedir para Deus intervir na minha vida, porque se eu não pedisse, ele respeitaria minha vontade. Ja a Bia junto com minha mãe, jogaram a real do que eu estava fazendo com minha vida. 

Em Janeiro, dia 18 abri minha empresa com o Erik no meio de Fevereiro a Italia fechou! Não vou falar sobre o que é abrir uma empresa na Italia porque eu ainda estou descobrindo mas, desde que tomei coragem as coisas mudaram! 

Não deixaram de ser difíceis, mas alguns planos que estavam engavetados começaram a acontecer com toda fluidez e organização que se pode. Não temos muitos clientes, mas mantemos aqueles que temos e eles confiam na nossa palavra.

Uma das minhas clientes quando vou fotografar a loja sempre diz que meu olho brilha por de trás da lente. 

Nunca me vi como fotografa, eu sempre confundi esse meu amor pelo visual com moda, porque fotografia so podia ser de Casamento ou revista!

A internet abriu portas para uma nova vertente do meu trabalho, aquela que me conecto, aquela em que posso contar historias. Amigos meus que admiro, me admiram de volta e eles nem sabem o quanto é difícil para mim reconhecer meu merito. 

Sou grata pelos meus clientes confiarem em mim e no meu potencial, porque me escutarem e compartilharem a experiencia deles, por serem compreensivos e tao apaixonados como eu pelo que fazem. 

Me disseram que compartilhar felicidade muito alto incomoda muita gente com olho grande. Só não quero mais acreditar nisso sabe? Por isso estou compartilhando minha felicidade e anunciando para voce e para mim mesma que não vou abrir mão de viver tudo que quiser viver. 

E mesmo 2020 sendo um ano tão conturbado e cruel, e abrindo feridas muito profundas, duras e tenebrosas.

Eu renasci em 2020. 

Eu renasci porque quando me perguntavam o que queria ser quando crescer, podia até responder moda, mas na minha cabeça era “Carreira”. 

Eu nunca quis um bom emprego, eu sempre quis uma carreira. Sempre quis assinar meu nome e as pessoas entenderem que ali tinha paixão e comprometimento. 

Não sou uma coisa só, sou multifuncional. Sou shoes designer, sou cabeleireira, sou blogueira, sou vitrinista, sou consultora de conteúdo para plataformas digitais, sou produtora de moda, sou stylist e também sou fotografa! 

E posso falar? Nunca me senti tão orgulhosa de ser tantas coisas <3 mas principalmente de ser fotografa! 

    Comente este post!